Mandalaterapia

Mandala é uma palavra da língua sânscrita que quer dizer círculo. Mandala também tem outros significados como círculo mágico, concentração de energia ou diagrama circular. Universalmente o Mandala é o símbolo da totalidade, integração e harmonia. 

A Mandala pode ser utilizado de vários modos: desenvolvimento pessoal, desenvolvimento espiritual, promoção de  cura, harmonização de pessoas e ambientes, rituais, magia, dança, decoração, arte, arquitetura.

Na área terapêutica foi Jung quem trouxe as Mandalas para os consultórios. Hoje em dia a Mandala é usada na psicologia junguiana e transpessoal e por terapeutas que trabalham com desenvolvimento pessoal.

A Mandala trabalha a pessoa nos aspectos: físico, emocional e energético. No aspecto físico promove bem-estar, relaxamento e previne o estresse. Emocionalmente, as Mandalas pessoais podem trabalhar conteúdos oriundos de emoções antigas, atuais ou futuras, pois o trabalho com Mandalas sinaliza eventos que aconteceram, os que estão ocorrendo e os que estão para acontecer. Energeticamente a Mandala equilibra os corpos sutis e suas energias peculiares.

Quando se desenha Mandalas pessoais terapeuticamente é comum acontecer surgirem memórias passadas que são colocadas no desenho sob forma de impressões sutis, projetadas, que só será percebida por quem souber fazer a leitura das impressões sinalizadas pelo inconsciente de quem está desenhando. A leitura dessas impressões se faz por meio do traço, da forma, das cores, dos símbolos, das marcas e vários outros aspectos que podem surgir quando se faz um Mandala. É um trabalho simples, mas ao mesmo tempo profundo, pois as Mandalas colocarão, de forma sutil, no lugar certo, aquilo que se encontrava fora de lugar.

Ainda energeticamente a Mandala pode levar a pessoa a contatos com dimensões superiores e ao encontro de um caminho espiritual. Por isso a Mandala foi e ainda é muito utilizado na meditação e para o desenvolvimento e ampliação da consciência.